crônicas

Um campo minado

Leia as outras partes: I | II | III | IV

Era domingo. O dia tinha passado de forma preguiçosa. O culto já tinha acabado há um tempo mas eu continuava na frente da igreja conversando com as poucas pessoas que restavam por lá.
Tinha passado o dia inteiro numa expectativa incomum, como se algo fosse acontecer, e aconteceu! Assim que saí de casa fui pega pela chuva mais torrencial e repentina dos últimos tempos. Quase dei meia volta pra ir direto pra cama, mas algo me fez continuar andando em frente.
Ele também parecia distraído hoje, enquanto nós dois mantínhamos uma distância calculada um do outro.
A quem olhasse eu parecia estar fazendo um esforço para me socializar depois de passar tantos meses afastada. Mas eu sabia que só estava ali conversando amenidades na esperança que ele mais uma vez se oferecesse para me levar em casa, e então eu pudesse ter a oportunidade de conversar com ele sem que ninguém ficasse observando e especulando coisas. Até porque, idiota e iludida como sou, obviamente essa situação já estava claramente platônica. Afinal, ele já deixara claro mais de uma vez. "Não quero nada com você" ele dissera.
O frio da noite ia aumentando e a minha paciência diminuindo. Já estava a ponto de sair andando sozinha mesmo, mas minha teimosia e meus pés doloridos de tanto tempo em cima de um salto agulha de mais de dez centímetros não deixaram.
- Como você vai embora, Laiara? - perguntou um dos garotos
- Do mesmo jeito que vim: andando...
- Mas sua rua tem muita lama!
- Eu vim pelo asfalto - respondi
- Que disposição!
- Pois é - dei um olhar significativo para o "Senhor Sinceridade" pra ver se ele se tocava, mas acho que não surtiu muito efeito.
Logo depois o assunto mudou e eu fiquei mais na minha, até que alguém falou de chocolate.
- Nossa como eu amo chocolate! Faz séculos que não como... - comentei
- Gosta mesmo? Tenho uma barra de Diamante Negro no carro, você quer? - Disse um terceiro garoto que eu tinha visto poucas vezes.
Aquilo foi uma cantada? Eu nem sabia o nome desse indivíduo! André? Diego? Sei lá. Revirei os olhos e dispensei com um obrigada, mas por dentro queria dizer "Hellooooo, me devolve a confiança que eu não te dei!"
Nessa hora notei que o indivíduo estava sendo meio que fulminado por um par de olhos. Espera, era uma pontada de ciúme que eu estava vendo naquele olhar? Não! Não era possível! Mas eu podia jurar que sim...
Passaram-se mais alguns minutos até que se movimentaram pra ir embora. Murchei por dentro ao me dar conta que tinha ficado ali até então pra nada... Poderia ter ido embora há tempos, já que pelo visto iria sozinha mesmo.
Um dos meninos perguntou se o do carro não passaria próximo à minha casa, indicando onde eu morava. Não sabia se ficava agradecida por não precisar andar, ou apavorada por aceitar carona de quem tinha aparentemente acabado de me cantar.
Agradeci baixinho e relutei pra entrar no carro.
- Ei, você pode me dar um bonde também? - mal acreditei ao ouvir a voz dele, e quando o dono do carro disse que sem problemas, me senti um pouquinho mais aliviada.
Chegando na frente de casa agradeci a carona enquanto descia do carro.
- Valeu pelo bonde, eu fico aqui também.
Espera aí? Como assim ele ia ficar aqui também? Achei que tinha pedido carona pra casa dele, e digamos que ficava um tanto quanto longe da minha.
Fui pega de surpresa, mas havia uma alegria secreta crescendo por dentro. Eu não pedi, mas parece que ele entendeu o recado.
Quando ficamos sozinhos ele se encostou no muro com um olhar indecifrável. Eu realmente era incapaz de entender o que se passava na cabeça daquele garoto. Uma hora eu tinha certeza que ele me odiava e em outra parecia que toda a ilusão platônica que eu alimentava por ele tinha algum sentido e talvez fosse recíproca. O que por si só já era um absurdo e uma burrice tremenda. A última coisa que eu deveria pensar depois de sair de um relacionamento abusivo era embarcar em qualquer outro relacionamento. Mas lá estava eu, fazendo a trouxa apaixonadinha de novo. Sério coração, você se esforça pra me ferrar né!
Fiquei de frente pra ele, com um braço de distância e tirei os sapatos de salto. Diminui uns bons centímetros e deixei de estar mais alta que ele.
- Bem melhor assim. - disse ele com um meio sorriso.
Abaixei para colocar os sapatos de lado e sorri de volta ao levantar.
- Por que você usa saltos tão altos?
- Eu gosto... Sei lá, acho que sempre fui frustrada por não ter 1,70m e compenso com salto.
- Mas você não é baixinha... - retrucou ele.
- Eu sei, mas talvez eu goste da sensação de ver todo mundo de cima.
Ele me olhou daquele jeito desconfiado e continuamos batendo papo por um tempo.
O frio apertou e mesmo com jaqueta comecei a tremer.
- Tá com frio? Chega aqui... - Disse ele abrindo a própria jaqueta, que tinha o dobro do tamanho dele diga-se de passagem, me convidando para um abraço.
Cheguei mais perto e me aconcheguei próximo ao peito dele, relaxando e deixando o frio escapar lentamente. Era uma sensação boa. Muito boa, pra falar a verdade.
Há tempos não sentia uma tranquilidade e segurança daquele jeito, mesmo que momentânea. Eu sabia que podia bem ser tudo ilusão criada pela minha mente, mas era gostoso sentir aquela paz, mesmo que por alguns instantes.
Virei a cabeça para olhar pra ele na intenção de falar alguma coisa, e então notei o quão próximos nossos rostos estavam. Perdi o fôlego e a fala no mesmo instante, não lembro mais o que queria dizer. Qualquer pensamento coerente evaporou do meu cérebro e me dei conta naquele instante de como meu coração estava batendo rápido.
Soltei o ar lentamente pra em seguida tentar puxá-lo novamente. Era impressão minha ou o oxigênio estava acabando ao meu redor?
Minha respiração se tornou ainda mais curta, e a consciência da proximidade não estava ajudando em nada. Encarei aqueles olhos que eram enigmáticos até na cor, olhei bem no fundo deles, por trás das nuances de verde e mel tentando descobrir se ele estaria sentindo naquele momento toda a confusão que eu estava sentindo. Até que nossos lábios se encontraram.
Foi suave.
Foi lento.
Foi cauteloso
Foi doce.
Foi aconchego.
Foi renovador como uma chuva de verão.
Foi melhor do que eu jamais seria capaz de imaginar.

E eu estava com medo.

Na verdade eu estava apavorada! E se tudo fosse mais um erro? E se tudo não passasse de um momento?
Me afastei apenas um pouco, olhei novamente nos olhos dele e sabia que ele estaria vendo nos meus todo o terror que eu estava sentindo.
- Tô com medo. - disse apenas
- Eu também... - e me beijou mais uma vez.
Não sei quanto durou... Creio que foram apenas segundos, mas pra mim pareceu muito tempo. Pois não era apenas um beijo. Significava muito mais pra mim. Era mais um campo minado do qual eu poderia sair em pedaços mais uma vez. E eu não suportaria ser despedaçada novamente.
Ficamos abraçados por mais um tempo, sem dizer nenhuma palavra. Minha cabeça repousando no seu ombro enquanto eu tentava colocar os pensamentos em ordem, enquanto eu tentava entender o que tinha acabado de acontecer.
- É melhor eu entrar, tá tarde... E você tem que ir pra casa também... - eu disse sem soltá-lo ainda assim.
- Verdade. - Disse enquanto me afastava delicadamente. - Tchau - disse após me dar um selinho.
Me virei para entrar e abri e fechei o portão em velocidade recorde. Já do lado de dentro fiz uma rápida oração enquanto atravessava o quintal: "Deus, por favor, que seja ele... Porque se não for, eu não quero mais ninguém... Eu não suportaria mais um baque".
livros

Circo Mecânico Tressaulti - Esse não é um Steampunk Comum



Já faz um bom tempo que tenho Circo Mecânico aqui em casa, mas ele estava ali no cantinho, na pilha dos meus livros de TBR de parceria, esperando o momento certo pra ser lido, e na verdade, me sinto muito feliz de não tê-lo lido de sopetão, assim que chegou no envelope da Caveira, mas sim aguardado o momento em que meu coração pediu que ele fosse o próximo, e o mais importante: o momento em que os comentários a respeito da história, que eu já tinha lido em outros blogs, já tinham caído no limbo da minha fraca memória.
Então eu me entreguei a leitura de Circo Mecânico, e foi uma maravilhosa experiência! Deixa eu tentar explicar: a história não é apenas um circo com pessoa com partes mecânicas... Não é apenas uma realidade distópica.. A história fala de sonhos, de amor, de relações humanas, fala de sentimentos, alguns até que não conseguimos assumir bem que também temos!
Circo mecânico fala de objetivos, de um sonho que parece inalcançável e até onde nós estamos dispostos a ir por esse sonho. A narrativa também fala de luto e superação, e de como as pessoas que são importantes para nós de alguma forma nunca morrem: sempre há uma parte delas conosco.
Genevieve conseguiu com maestria, através dessa trupe nada comum, nos mostrar um conceito de unidade, cumplicidade, parceria e família. São pessoas que se gostam, mas que muitas vezes têm vontade de matar umas às outras... São pessoas dispostas a se arriscar pelo bem de todos! Mas são pessoas, acima de tudo, pessoas! E isso significa que muitas vezes eles terão medo, outras eles sentirão ciúme e inveja, e sim, em alguns momentos eles podem bem dar uma rasteira do colega do lado, porque é assim que somos no final das contas.

Valentine nos ensina, com muita graça, que por mais que amemos as pessoas, elas ficarão ao nosso lado apenas se quiserem, não há nada que realmente as possa prender a nós, a não ser elas mesmas.
Se um pássaro quer voar, ele irá voar, apenas não corte suas asas, e ele fará de tudo para estar perto das nuvens.
Enquanto isso, haverá pessoas que estarão sempre no chão, não por serem inferiores, mas sim porque ali é o seu lugar, porque sempre há um plano e um propósito para cada um de nós, e muitas vezes, quando achamos que somos um coadjuvante, ou apenas um observador que está ali para contar a história depois que tudo isso acabar, a vida pode te surpreender e te tornar um incrível protagonista, é só ter coragem e audácia para pisar no desconhecido.
E foi isso que aprendi com Circo Mecânico Tressaulti.
Dark Side

#DarkCrush e Novidade da Caveira!


Vamos falar de coisa boa? Vamos falar de tekpix Brinks, a gente vai falar da DarkSideBooks e de todo o amor que tenho por essa editora hahahah! Vocês sabem que a Darkside é parceira aqui do blog, e sim, é a única parceira e eu não preciso de mais nenhuma por enquanto porque a Caveira já me enche de amor trevoso e alegria. Quem me acompanha aqui há mais tempo sabe a empolgação que eu fiquei ao ter sido selecionada para a parceria, tudo porque, a caveira tem a minha cara!
Há alguns dias a Darkside tá promovendo uma ação chamada #DarkCrush. A intenção é mostrar os nossos livros favoritos da Editora, aqueles que arrebataram o nosso coração! A caveira então me chamou pra contar um pouco mais pra você o porquê de ter escolhido o meu DarkCrush e o que ele tem de tão especial...
O meu escolhido como vocês podem ver, foi o maravilindo The Kiss Of Deception! KoD tem um lugar todo especial no meu coração. Foi o primeiro livro da caveira que li, e pra mim ele representa muito bem a pegada do selo DarkLove: o universo é tão bem montado, a escrita da Mary é tão cativante e os personagens são tão incríveis que não tem como não amar! Sim o livro foi super hypado, mas mesmo hoje depois de meses eu ainda lembro da história e quero muito continuar revivendo as sensações que tive na leitura.
 A Lia é uma personagem maravilhosa, e o Kaden é o meu amorzinho, meu crush literário, e mal posso esperar para vê-lo novamente! E aí que vem a segunda parte desse post que é tão linda quanto a primeira:

A CONTINUAÇÃO DE KOD JÁ TEM DATA PRA CHEGAR AOS NOSSOS CORAÇÕES!
Sim! Ontem mesmo o pessoal da DarkSide nos avisou que HOB vai chegar pra nós no final de outubro, exatamente na semana do aniversário da caveira! E eu é claro, já estou mais que surtando por causa disso!
Se você está surtando tanto quanto eu, saiba que a pré-venda na Submarino já começou ;)
E por hoje é isso! Sonhos terríveis pra vocês!
livros

Olha a Book Friday aí Gente!


Gentem... Vocês tão sabendo da Book Friday?
A Amazon nessa sexta vai fazer uma promoção com livros com mega descontos! Gente, prepara os cartões de crédito porque o dia promete!
Eu mesmo confesso que não tô podendo muita coisa não, porque sabe como é, né, tempos de crise e etc... Maaaas, quem não gosta de uma Wish List... 
Eu amo ficar salvando os livros que eu quero pra ficar de olho nos descontos... E sabe o que é melhor, assim dá pra controlar melhor o bolso: tendo uma lista fechadinha eu não fico em tanta tentação com as promoções que não tem a ver com meu gosto literário.
Porque tem vezes que vemos um desconto incrível, mas o livro nem interessa tanto assim, e depois acabamos deixando encostado... Wish List é bom por isso, vamos fazendo nossa lista, sem tentação interferindo, e quando chega a promoção a gente pode ver o que está na nossa lista que tem desconto, não é maravilha?! Otimização gente!
Por isso fiz uma Wish List especial para a Book Friday, com os livros que eu já estava estou de olho a um tempo pra eu ficar de olho neles...
Se eu fosse você já dava uma conferida e fazia a sua também :)
Então CLICA AQUI e confere também, e se for comprar algum livro, compra pelo meu link, é claro que me ajuda hihih!

>>>> Black Book Friday <<<<<
Planner

Glossário (descontraído) do Mundo dos Planners + FREEBIE!


Oi gente! Como vão vocês, hein?!
Percebi que o post de planners na semana passada teve uma ótima aceitação de vocês, então vamos falar mais deles, que tal?
O post de hoje eu fiz pensando para quem não conhece nada ou quase nada do mundo dos planners, ou pra quem está começado agora :D
Então trouxe pra você um pequeno glossário de alguns termos comuns nesse mundo mas que podem ser um pouco confusos pra quem está chegando agora.
Deixo claro que eu não sou uma plannerista inveterada, nem sou antiga ou especialista no assunto, por isso mesmo preferi fazer o glossário naquele esquemas "for dummies" é pra ser bem descontraído, e nada técnico para que todo mundo possa entender. Então se você já é expert, esse post não tem muita coisa nova pra você, mas calma que no final tem surpresa, ok! Fica aqui!
SIMBORA!

Binder – Não tem aqueles planners que parecem fichário? Então, o Binder é a capa dele.
Bullet, Bujo, BJ, Journal – É um tipo de planner. Esse é um caderno, que pode ter folhas lisas, quadriculadas, pontilhadas e etc. Do jeito que você quiser. O negócio do BJ é que nele você cria o seu tipo de organização, do jeito que você bem entender… E desenha você mesma.
Dashboard – É uma página que fica logo no início do planner, geralmente é laminada ou plastificada, com uma estampa ou frase bonita e nela você deixa os seus trequinhos queridos rsrs Adesivos, post-its, tags… Essas coisas que dá pra colar e você quer manter à mão.
Decotape – É uma fita adesiva bonitinha, que você usa pra decorar.
Discos – É o que mantém as folhas dos planners tipo ARC juntas.
Espiral, Argolado, ARC, Travelers – São tipos de encadernação dos planners… Basicamente espiral é um caderno, argolado é tipo fichário, ARC é com discos, e Traveler's eu explico daqui a pouco
Inserts – Vamos resumir? São as páginas dos planners com sua disposição gráfica.
Midori, Fauxdori, Deiadori – Marcas de traveler's notebooks.
Personal, pocket, mini – É a classificação dos tamanhos dos planners… Esses são todos menores que uma folha A5
Planner – Qualquer coisa que você use para planejar e organizar o seu dia, semana, sua vida ou uma área específica dela, anotando tudo, é um planner… Tem planners que são de mesa, onde você planeja a semana em uma folha e pode descartar depois...
Printable – É tudo que é feito digitalmente para imprimir em casa depois… Adesivos, inserts, etc...
Setup – É a organização inicial do planner. Assim que você abre, o conjunto de enfeites, dashboard e todos os balangandâns que você colocar ali (a foto de capa desse post é só com exemplos de setups)
Tassel – Um tipo de enfeite, fica preso por uma cordinha ou corrente. Antigamente, tipo século passado, tassels eram usados como acabamento de cordinha de cortina rsrs Pode ser feito com vários materiais...
Traveler's Notebook – Tipo de planner geralmente encadernado com couro ou tecido e costura, preso com um elástico… As páginas (quando vêm junto) costumam estar em branco e são ideais para quem opta por Bullet Journal
VEP – Abreviação de Viciadas Em Planner
Washi Tape – Lembra da decotape? Então, essa aqui é decorativa também, só que feita em fibra de arroz, com decorações fofinhas, e essas você consegue descolar sem danificar o papel.

Tá aí, um glossário bem basicão! E se você tem uma definição melhor para algum dos termos, ou se tem alguma coisa que você não conhece e gostaria que estivesse aqui também, me conta nos comentários que eu faço update ;)
Mas Laiara, e o freebie, cadê? Quero coisas grátis!
Pois bem! Eu tenho muitos amigos que são blogueiros literários, eu mesma faço resenhas como colaboradora para dois blogs, e sei que muitas blogueiras por aí são adeptas do planner, pensando nisso fiz um Insert Printable com ficha de resenha de livros! Eu fiz pra mim mesma, porque senti necessidade, mas trouxe aqui pra vocês também :)
Fiz o insert bem simples e neutro, pra combinar com qualquer estilo de planner... Esse da demonstração está em tamanho A5, pronto para imprimir em um A4 frente e verso, mas se você quiser imprimir em folhas avulsas A4 pode também, que eu fiz um arquivo de folha única ;)
Para baixar o formato A5 é só clicar AQUI, e para baixar a folha única é só clicar AQUI.*
*É necessário um post de compartilhamento para liberar o download, não custa nada e ajuda o blog :D

E por hoje é só, e espero que tenham gostado! Aproveita e comenta aqui se você prefere inserts mais neutros ou mais decorados, assim eu vou saber na hora de fazer os próximos freebies!

#DepoisDoBC

Poste uma foto dos seus cachos no insta com a hashtag #DepoisDoBC e apareça aqui!

Tá lendo tudo, fia?!

2016 Reading Challenge

2016 Reading Challenge
Laiara has read 12 books toward her goal of 50 books.
hide